ICQ - Tarot

O QUE É O TAROT?

Carl Gustav Jung, o pai da psicologia moderna, defendia a ideia que as cartas do Tarot representavam os arquétipos que estão presentes no inconsciente coletivo e, portanto, deveriam se manifestar na vida de cada um, de variadas formas, de acordo com as informações registradas na mente de cada um. 

* Arquétipo, do grego "arché" = inicial e "tipós" = tipo. Ou seja, uma espécie de "modelo original" ou, a primeira ideia que surgiu na mente humana, sobre algo e que foi sendo absorvido por todos.

 

Dividido em três níveis de interpretação referidos como: os Arcanos Maiores, os Arcanos Menores e as Cartas da Realeza.

* A palavra Arcano, do latim "arcanus", significa secreto. Aquilo que não deve ser conhecido, senão, por alguns "escolhidos".

           

As figuras, os símbolos e os números, ficaram por muito tempo, intrigando as pessoas, que não conseguiam explicar o que representavam. Embora houvesse muitas opiniões, uma ideia comum a todos era (e ainda é) impossível. Apesar disso, o Tarot se tornou um instrumento de explicação de diversas questões pessoais, para muita gente. Mesmo continuando a ser enigmático e misterioso, tornou-se objeto de estudos e pesquisas de incontáveis estudantes e "leitores" de suas mensagens. 

           

Em todas as civilizações, tanto antigas quanto modernas, os mesmos símbolos são encontrados, na forma de imagens, esculturas, pinturas, histórias e lendas de diversos povos, de todos os continentes, incluindo suas religiões, mitos e lendas - uma informação que permanece no inconsciente coletivo, desde a criação do ser humano. 

Atualmente, alguns estudiosos dizem que o primeiro baralho de Tarot surgiu no Egito pré-dinástico; outros, que teria sido na China, talvez há 12.000 anos; outros, ainda, acreditam que tenha sido por volta do ano 1.200 na Europa. O que deixa claro que não há certeza nenhuma. Porém, incontestavelmente, essas cartas passaram a fazer parte da vida da humanidade, há muito tempo.

           

O Tarot, como o conhecemos atualmente, começou a ser desenhado na Europa do século XIII, mas a sua história e criação original vem do Egito antigo, conforme informação canalizada que recebi de meus Mentores. Mas, não podemos dizer que foi criado um baralho, mas sim um código secreto, que milhares de anos depois, se transformou nas cartas do Tarot que conhecemos. Embora não saibamos quais eram, verdadeiramente, aquelas informações originais.

Os Sacerdotes egípcios de 5.000 anos atrás eram detentores de muitos conhecimentos que não estavam disponíveis para o povo. Eram "Segredos de Estado", portanto, ninguém podia ter acesso a eles, pois abrangiam informações capazes de alterar a vida de todos. E isso não seria bom, para os "comandantes".

Naquela época, ler e escrever era proibido ao povo, pois era considerado uma concessão divina e, portanto, um atributo somente da classe sacerdotal e dos Faraós. Porém, rapidamente, eles entenderam que não tinham condições de registrar todos os fatos do cotidiano, tanto cerimoniais quanto sociais, comerciais e jurídicos. Assim, foram obrigados a formar os conhecidos "Escribas", que se tornaram encarregados dessas tarefas, porém, sujeitos ao juramento solene de manter segredo absoluto sobre as informações.

Entretanto, em pouco tempo, pessoas do povo começaram a ler e escrever também, pois os escribas começaram a passar os ensinamentos adiante. Muitos foram executados, para servir de exemplo aos demais, por terem desobedecido as ordens superiores. Mas, ainda assim, logo os sacerdotes perceberam que seria muito difícil, senão impossível manter os segredos. Foi então, que perceberam que poderiam criar "códigos" que não poderiam ser compreendidos por outras pessoas, nem pelos escribas.

Como a escrita egípcia era totalmente simbólica - hieroglífica - ficou impossível, para qualquer pessoa que não fizesse parte do grupo de sacerdotes escolhidos, decodificar aqueles símbolos incompreensíveis.

Assim, somente milhares de anos depois, ninguém sabe como, mas, provavelmente, graças ao intercâmbio primeiramente comercial e em seguida cultural, entre diversos povos, aqueles antigos segredos começaram a ser disseminados pela Europa antiga. Quando arqueólogos começaram a encontrar as ruinas de palácios e túmulos egípcios e muitos artefatos começaram a ser desenterrados, eles perceberam as relações dos símbolos europeus com aqueles do Antigo Egito.

           

Apesar de tudo que é falado e escrito sobre o Tarot, não há uma unanimidade sobre as suas origens. No entanto, é intrigante o fato dos baralhos modernos terem uma estrutura semelhante às cartas dos Arcanos Menores do Tarot. Mas, também é desconhecida a origem do baralho comum, que, misteriosamente, são desenhadas e organizadas da mesma forma que as do Tarot, sugerindo a orientação de um trindade religiosa. 

 

O Tarot é um código representado por 22 aspectos através dos quais podemos perceber o outro, a vida e o mundo, de uma forma totalmente particular, independentemente da figura representada ser masculina ou feminina. Isto é assim porque tanto a energia feminina quanto a energia masculina, estão presentes no Ser humano. Todo homem carrega aspectos femininos como: delicadeza, amorosidade, senso de maternidade (cuidado com as crias), etc. Assim como toda mulher carrega aspectos masculinos como: dureza, firmeza, senso de sustento financeiro, etc.

Assim, podemos entender que cada carta ou Arcano, está representando um aspecto energético, sem limitar-se ao gênero simbólico da carta.

 

Mas por que 22 aspectos e não 78?

 

Simples. Porque os aspectos primários e importantes estão representados nos 22 Arcanos Maiores, enquanto as outras 56 cartas podem ser explicações mais detalhadas dos 22 primeiros.

ARCANOS MAIORES

 

Chamamos de Arcanos Maiores as 22 cartas que representam os símbolos arquetípicos presentes no inconsciente coletivo da humanidade. 

           

Numerados de 1 a 22, os Arcanos Maiores descrevem a Jornada Humana na Terra. Em alguns baralhos e segundo alguns tarólogos, essa jornada começa com a carta número 0 e a figura do O Louco. Outros, preferem colocar a carta de número 1 - O Mago, como sendo o ponto de partida. Particularmente, entendo o Arcano O Louco como sendo o início da Grande Jornada, porém, sem número, já que, nesse estágio, ele ainda não possui nenhuma definição consciencial.

 

Os Arcanos Maiores são representados por:

1 - O Mago

2 - A Sacerdotisa

3 - A Imperatriz

4 - O Imperador

5 - O Hierofante

6 - A Escolha

7 - O Carro

8 - A Justiça

9 - O Eremita

10 - A Roda das Encarnações

11 - A Força

12 - O Pendurado

13 - A Morte

14 - A Temperança

15 - O Diabo

16 - A Torre

17 - A Estrela

18 - A Lua

19 - O Sol

20 - O Julgamento

21 - O Mundo

Gustavo Coutinho Meyer - Tarot Marcelha

ARCANOS MENORES

 

Na carta 1 - o Mago, nos Arcanos Maiores já está implícita a ideia das 4 energias ou elementos, simbolizados nos 4 naipes:

- Taça (Água) - Emoções, Sensibilidade, Flexibilidade, Relações

- Bastão (Fogo) - Trabalho, Ação, Criatividade, Luta, Conquista

- Moedas (Terra) - Dinheiro, Matéria, Praticidade, Estabilidade

- Espada (Ar) - Mental, Intelectual, Racional, Lógico

As Cartas de Tarot ou, melhor dizendo, os Símbolos que chegaram a Europa no século XIII, não tinham o aspecto que conhecemos atualmente. Esta configuração foi criada pelos artistas daquela época. E, não havia, ainda, "arcanos menores". Estes foram criados a partir do século XIV. Portanto, não faziam parte das informações originais do Antigo Egito. 

Foram cartas criadas, a princípio, para diversão ou uma forma de representar as atividades da vida palaciana: reis, rainhas, príncipes e serviçais e seu comportamento, tramas e artimanhas.

Aquelas 56 cartas, com o passar do tempo foram acrescentadas aos baralhos de Tarot de 22 cartas e, continuam exatamente as mesmas cartas dos baralhos comuns atuais - tanto os naipes quanto a numeração e as figuras que representam a realeza - usados para os diversos jogos de entretenimento, já tão conhecidos de todos nós.

 

Então, se quisermos dar a eles algum valor de contribuição complementar sobre a "leitura" do Arcanos Maiores, após a identificação de cada situação, ficará a critério de cada tarólogo, inclusive quanto ao significado particular de cada carta e naipe.

 

Na minha forma de compreender os atributos das cartas dos Arcanos Maiores do Tarot, estas já são suficientemente carregadas de informação, capaz de auxiliar em qualquer situação apresentada, já que a capacidade de "leitura" do Tarot se deve muito mais a sensibilidade intuitiva do que ao conhecimento de conceitos esotéricos rebuscados e decorados com imensa quantidade de palavras que expressam conceitos psicanalíticos multicoloridos.